‘Irmãos para sempre’: muitos na Sérvia apoiam a Rússia em meio a protestos globais

Policiais russos detêm um homem durante um protesto não autorizado contra a invasão militar na Ucrânia em Moscou, na Rússia. Policiais russos detêm um homem durante um protesto não autorizado contra a invasão militar na Ucrânia em Moscou, na Rússia.

Vladimir Pesnya, Epsilon, Getty Images

Em meio ao trovão de slogans pró-Rússia e cantos anti-OTAN nas ruas da capital da Sérvia, Belgrado, Marko Vezmar não se arrependeu em seu apoio ao presidente Vladimir Putin e à invasão da Ucrânia.

“Isso tinha que ser feito”, disse Vezmar à AFP, vestindo uma camisa estampada com um retrato de Putin vestindo aviadores e armado com um rifle.

“O mal chegou às fronteiras russas e se não fosse por [the invasion] teria havido uma guerra mundial”, acrescentou, enquanto a multidão gritava “Sérvios-russos, irmãos para sempre”.

Dias depois, uma manifestação pró-Ucrânia na capital Belgrado atraiu um número muito menor de participantes.

“Tenho vergonha de que meu país não tenha se juntado ao resto do mundo que condenou a invasão”, disse Dubravka Stojanovic, historiadora de 59 anos.

Enquanto centenas de milhares de pessoas se reuniram em todo o mundo em solidariedade com a Ucrânia, a Sérvia emergiu como um delineador raro, com muitos no país apoiando abertamente Putin e sua decisão de invadir a antiga república soviética.

Durante séculos, a Sérvia e a Rússia estiveram unidas por profundos laços fraternais – desde sua herança eslava e ortodoxa até suas firmes alianças durante as Guerras Mundiais do século XX.

A influência de Moscou na Sérvia continua onipresente, com o petróleo e o gás russos fornecendo a espinha dorsal do setor de energia do país.

Turistas russos de vacinas chegaram ao país em meio à pandemia, enquanto camisetas com o rosto de Putin estão amplamente disponíveis em quiosques em Belgrado.

“Nas últimas semanas, estas são de longe as camisas mais vendidas”, disse o operador de um quiosque na capital, que pediu para não ser identificado.

E agora, com a Rússia novamente em pé de guerra, muitos sérvios não veem razão para ficar do lado de seu patrono de longa data.

‘Estrela do rock’

A manifestação de apoio à invasão russa ocorreu apenas algumas semanas antes das eleições gerais na Sérvia, apresentando ao atual presidente Aleksandar Vucic um dilema irritante.

Durante semanas, os meios de comunicação pró-governo apoiados por Vucic ecoaram as mensagens ferozes vindas do Kremlin.

“A mídia pró-governo… fez de Putin uma estrela do rock na Sérvia”, disse à AFP Vuk Vuksanovic, analista de Belgrado.

Mas com a Sérvia como aspirante a membro da União Europeia, Vucic tentou recuar um pouco da retórica mais pesada nos últimos dias, ao mesmo tempo em que tenta não perturbar sua base de apoiadores pró-Rússia.

Após a invasão, a Sérvia condenou oficialmente as ações da Rússia nas Nações Unidas, mas Vucic prometeu abster-se de sancionar Moscou em casa.

“Envelheci 10 anos nos últimos três dias”, disse Vucic durante uma transmissão nacional. “Nosso país tem uma posição e, enquanto pudermos, vamos preservá-la.”

Virar as costas para a Rússia agora pode ter consequências terríveis para ele nas urnas no início de abril, depois de passar anos divulgando a importância da parceria ideológica da Sérvia com Putin.

“O que [the government] O que mais teme é o caos interno que explodiria se a Sérvia escolhesse um lado”, disse Vuksanovic à AFP.

“Eles estão com medo de alienar não apenas as partes pró-Rússia do eleitorado, mas também a Igreja, o exército e a inteligência”.

‘Sem escolha’

Vucic conseguiu um delicado ato de equilíbrio por anos.

O presidente sérvio fez malabarismos com as relações da Sérvia com as potências orientais e ocidentais, abrindo caminho para uma ajuda financeira substancial da União Europeia, bem como para grandes negócios com a China e a Rússia.

Mas a Rússia permaneceu inigualável como aliada graças ao seu apoio inflexível à reivindicação da Sérvia sobre a província separatista de Kosovo e ao bloqueio de qualquer reconhecimento formal da independência do território na ONU.

Em uma pesquisa de 2021 do Instituto de Assuntos Europeus, 83% dos entrevistados sérvios viram Moscou como uma “amiga”. Putin foi nomeado cidadão honorário em cerca de uma dúzia de cidades sérvias.

“A Sérvia se apega a Moscou a cada dia”, disse Srecko Djukic, ex-embaixador da Sérvia na Bielorrússia.

“Belgrado não teve escolha a não ser não impor sanções”, acrescentou.

Os sérvios também compartilham a profunda animosidade da Rússia em relação à OTAN. Eles não esqueceram os bombardeios da aliança durante a sangrenta dissolução da Iugoslávia na década de 1990.

Durante a manifestação pró-Rússia em Belgrado na semana passada, manifestantes acenaram com cartazes denunciando a aliança e gritaram slogans anti-OTAN enquanto marchavam pelas ruas, acendendo sinalizadores e segurando ícones ortodoxos.

“A Ucrânia está sendo libertada dos neonazistas”, disse Nikola Babic, um segurança de 22 anos. “Os russos – nossos irmãos – estão liberando o país e, com sorte, o mundo.”

Source link

You May Also Like